sábado, 26 de março de 2011

A VISITA DE BARACK OBAMA

Nos últimos 90 anos de história entre Brasil e Estados Unidos, O Presidente Barack Obama, tornou-se o 10º presidente dos Estados Unidos a visitar o Brasil desde a primeira visita, a do presidente Herbert C Hoover, em 1928, seguidas pelos presidentes Franklin Roosevelt em 1936 e 1943; do presidente Harry S Truman em 1947; Dwinht D Eisenhower em 1960; Jimmy Carter em 1978; do ex-ator e presidente Ronald Reagan em 1982; George W. Bush (pai) em 1990 e no Rio-92; de Bil Clinton em 1997; George W Bush (filho) em 2005 e 2007. Em todas estas visitas, gafes e declarações desastrosas foram marcantes, típicas de uma relação entre um centro e uma periferia oscilando entre um diálogo amistoso e a indiferença nada sutil.

Em outro contexto Mundial - o da Globalização econômica - Barack Obama sedimenta uma maior aproximação econômica com o Brasil e vem trabalhando para deixar de lado as divergências políticas e buscar mercado para sua indústria. A viagem que o presidente dos Estados Unidos fez pela primeira vez a América do Sul, especialmente ao Brasil, teve um apelo econômico (interesses comuns entre as duas nações na exploração de petróleo da camada Pré-sal, investimento em infra-estrutura para os jogos olímpicos, no estímulo ao comércio bilateral e na cooperação em educação e tecnologia) na busca de oportunidades de negócios em uma região em crescimento, e que a China e a Argentina numa escala menor, estão ocupando os espaços das empresas norte-americanas

A viagem de cinco dias pelo Brasil, Chile e El Salvador, apesar do terremoto no Japão e da crise líbia, refletiu o importância da economia brasileira no cenário americano, com o crescimento das trocas comerciais entre os países do Mercosul e com os países de fora do Mercosul. O Brasil é o principal destino das exportações argentinas e o principal fornecedor da Argentina. Em 2010, o intercâmbio bilateral chegou a cerca de US$ 33 bilhões, superando o recorde histórico de US$ 30,8 bilhões, registrado em 2008, sendo que mais de 80% do intercâmbio comercial é composto por bens industrializados e com a China que passou a ser o maior sócio comercial do Brasil há dois anos e o maior investidor no ano de 2010.

Os interesses econômicos com uma das economias mais sólidas e em crescimento da América Latina e a necessidade dos Estados Unidos que gerar empregos em seu país no processo de sair da crise que ainda é presente. Além dos interesses geopolíticos já que o Brasil se tornou uma peça importante nas relações diplomáticas do tabuleiro da América Latina, foram às razões principais para uma “BOA VIAGEM”

3 comentários:

  1. PARABÉNS PROFESSOR!!! FOI MT BEM ABORDADO ESSE TEMA. OBRIGADA

    ResponderExcluir
  2. mtu bom profssor...continui postando awe

    ResponderExcluir
  3. ei prof vlw pelas informações extras...

    ResponderExcluir